segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Divagações

Hoje acordei dps de me deitar com as galinhas. Sentia-me mto cansada e assim, decidi deitar-me com a Eva e não me levantar mais... ÁS 6:30h já não há sossego, 1.º uma e dps outra, estão em sintonia nos acordares.
Hoje, talvez pela descida de temperatura, senti-me nostalgica e com mil e um pensamentos.
Ganhei coragem e joguei-me à roupa das miudas, tarefa sempre adiada. É roupa que nunca mais acaba, dava para vestir mais 2 ou 3... Ora tira roupa que já n serve à Eva, tira da Carmen e vai guardar para a Eva, é ver outras tantas que me vão dando.
Nestas bandas existem 4 primas com idades próximas e portanto imaginam as toneladas de roupa.
Comecei a pensar que não tarda começa a escolinha. Mudança de educadora, sala de pré.. dps de mês e meio de férias... vai custar. Só peço que se adapte rápido sem grandes dramas...
Dps olho para a eVa que corre a casa toda e de longe é que me apercebo que cresceu! A bebe parece uma menina! Não tarda tem 1 ano....
É Tão diferente da Carmen na mesma idade. Muito mais mexida e desenvolta em termos psicomotores...
Começo a gerir decisões que tomei, tenho sido mãe a tempo inteiro. Vou trabalhando à medida do possivel e penso que a Eva não é a Carmen e vai ser mais complicado gerir trabalho com ela a meu cargo, mas eu não conseguiria fazer de outra forma... não seria justo... para ela, para mim... afinal tendo eu possibilidade de ter um horário flexivel de trabalho, ia colocá-la na creche, tão pequenina?
Isso sou eu, é a minha forma de ser e estar perante a vida e perante as minhas crias. Tenho as minhas convicções e é por elas que me guio. Felizmente tenho a meu lado um marido que me apoia muito a todos os niveis.
Também, é só o que me resta. Olho com alguma tristeza e por vezes consternação para os avós, que não têm ligação às netas... Os meus pais, por a minha mãe ser uma pessoa doente das emoções, eternamente deprimida, não vive a vida nem os prazeres dela... o meu pai por viver para a minha mãe, isolou-se... desaprendeu... sei lá... que sejam felizes, o pior é que nesta vida isolada que têm, não o são! Isso dantes preocupava-me, hoje tenho a minha familia e deixei de carregar esse fardo.
Os meus sogros têm um neto com uma doença congénita que pobrezinho, leva a vida em cirurgias, é um lutador... Já o pai dele, o meu cunhado tem roubado as energias daqueles dois, com os seus problemas recorrentes...
Nós, somos nós...
passa tudo tão rápido... não tarde tenho que me dedicar às festas de aniversário das minhas filhotas, daqui a nada estamos em Setembro...

1 comentário:

Nyninha disse...

Como eu te entendo...aqui sozinha, tão longe da família, é complicado gerir o tempo e as emoções. Lá no Brasil, o Fabian mal tem contato com os familares, mais é com a minham ãe. E o pior é que tem dinheiro para vir nos visitar, mas pensa que vem? Ficam só em função de doença, médico, arrumando desculpas e tá aí, o menino crescendo, o tempo passando, mais ainda para eles que estão ficando velhos e vejo que muitas coisas dependem só de mim. Eu é que tenho que correr atrás para que eles convivam com o Fabian... Bem, é que infelizmente não podemos mudar os outros ehehehe!